logo mobile

Imprimir

Chegou a hora de descobrir a verdade da Secretaria de Finanças do TJSE

.

graficos pedro 750x510

 

A maioria dos menores percentuais de reajuste no vencimento base dos servidores efetivos, na história das campanhas salariais no Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE), foram após a posse do secretário Pedro Vieira na Secretaria de Finanças do tribunal.

As campanhas salariais dos servidores do TJSE, iniciadas em 2008, focaram nos primeiros anos na elaboração de um novo plano de carreira. A partir de 2011, as campanhas priorizaram a valorização do vencimento base e a criação de novos direitos.

Nas negociações ocorridas entre 2011 e 2016, os percentuais aplicados no vencimento base dos servidores foram: 11%, 7%, 5,3%, 6,5%, 6,5% e 3%. Cabe lembrar que este último, já no ápice da crise no país, diante das dificuldades na arrecadação do Tesouro e de aplicar um percentual maior no vencimento, a fim de compensar foram negociados aumentos expressivos de 12% e 122% nos auxílios alimentação e saúde, respectivamente.

A partir de 2017, a Secretaria de Finanças do TJSE mudou de comando e o CCE-1 foi assumido pelo técnico judiciário Pedro Vieira. Desde então, os percentuais aplicados pela gestão no vencimento base dos servidores efetivos despencaram: 4%, 3,5%, 4,4%, 0% e 3%. Nunca mais os servidores passaram da casa dos 4%!

Também foi nesse último período, que os cargos em comissão voltaram a ter reajustes no mesmo percentual dos efetivos e tiveram até alguns aumentos, voltando a alastrar as desigualdades internas que estavam sendo reduzidas.

 

Novo período

O secretário assumiu a pasta em uma época muito difícil, em meio a maior crise política e econômica da história recente do Brasil. Agora, apesar de todas as mazelas da pandemia, a conjuntura financeira está bem mais favorável, o TJSE bate sucessivos recordes de arrecadação no FERD e o orçamento crescerá R$ 40 milhões em 2022.

O momento favorece que o secretário seja realista e apresente ao presidente do TJ, Des. Edson Ulisses, as possibilidades financeiras disponíveis máximas. Que, ninguém tem mais dúvida, hoje o TJSE goza de uma saúde financeira que permite apresentar um percentual digno no vencimento base da categoria.

"É fato que tivemos os menores reajustes nos últimos anos, depois da chegada do secretário Pedro nessa pasta estratégica. Esperamos que o secretário pense nas aflições dos seus colegas técnicos que não ocupam um CCE, como ele, e não estão mais conseguindo pagar as contas com os salários defasados em mais de 12%. Ele está nessa função para apresentar ao presidente a situação financeira do Tribunal, e agora chegou a hora dele mudar essa história de percentuais pífios. Queremos que o secretário faça um bom trabalho na gestão, mas queremos, mais ainda, que os servidores voltem a ser valorizados como eram antes dele," avisa o coordenador geral do Sindijus, Jones Ribeiro.