Imprimir

Diretoria do Sindijus informa gestão do TJSE sobre Greve Sanitária aprovada pelos servidores

.

card ofício greve parte interna

A diretoria do Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário do Estado de Sergipe (Sindijus) protocolou ofício, na manhã desta sexta-feira (31), à Presidência do Tribunal de Justiça de Sergipe comunicando a decisão aprovada pela categoria de realização de Greve Sanitária em defesa da vida. O encaminhamento pela Greve Sanitária foi decidido em Assembleia Extraordinária online, nessa quinta-feira, 30.

No documento direcionado ao presidente do Tribunal, desembargador Osório Ramos Filho, a diretoria do Sindijus frisou que a deliberação não representará a interrupção das atividades, mas a continuidadade da realização em teletrabalho. “Os servidores continuarão trabalhando das suas residências, como têm sido nesses mais de quatro meses. E estamos não por opção, mas pela imposição do maior bem que há: a vida”, destacou Alexandre Rollemberg, coordenador do Sindijus.

Para a entidade sindical, e para o conjunto dos trabalhadores e trabalhadoras que participaram da Assembleia, a Greve Sanitária é uma exigência em defesa das vidas de todas as pessoas que constroem ou acessam o Judiciário sergipano. “Os registros oficiais demonstram que tanto em nível nacional quanto em Sergipe a realidade da covid-19 é assustadora, com crescimentos alarmantes de contaminações e mortes. Por isso, a Greve Sanitária foi a única alternativa frente à determinação de retorno das atividades presenciais no dia 3 de agosto”, disse Alexandre.

De acordo com informações do boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde, divulgado na noite desta quinta, 30, Sergipe registra mais 57 mil infecções e 1.470 óbitos pelo novo coronavírus. Apenas na última semana, o estado registou aumento de 17% do contágio e de 18% das mortes.

No ofício, que busca sensibilizar a gestão do TJSE para a necessidade de defesa da vida, a diretoria do sindicato informa também que – frente aos números da covid-19 no estado – outros órgãos públicos têm prorrogado o teletrabalho, a exemplo do Tribunal de Justiça da Bahia, que estendeu a suspensão do regime presencial até o dia 31 de agosto.

Importante registrar que desde o momento do anúncio de retorno do trabalho presencial em 3 de agosto, a diretoria do Sindijus tem buscado dialogar com a gestão do TJSE. Vale citar, neste sentido, os ofícios protocolados nos dias 13 e 22 de julho, em que solicitou-se a prorrogação do teletrabalho. “A nossa intenção é que a Presidência e o Gabinete de Crise do Tribunal considerem a ciência, analisem os dados e revejam essa decisão. Se estamos trabalhando e mantendo índices altos de produtividade, como a própria gestão tem feito questão de noticiar, por que voltar num cenário tão crítico? Como as nossas tentativas não têm sensibilizado a gestão, os servidores mandaram um recado cristalino de que as nosssas vidas não são um jogo”, enfatizou Antonio Fernandes, coordenador do Sindijus.

Leia a íntegra do Ofício.