logo mobile

Imprimir

Sindijus pede reunião com Des. Edson Ulisses para garantir direitos dos servidores

.



A diretoria do Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário do Estado de Sergipe expediu ofício, na última quinta-feira (28.01), ao novo Presidente do Tribunal de Justiça de Sergipe, Des. Edson Ulisses. No documento, foi solicitada a marcação de reunião para negociar a pauta dos servidores, principalmente quanto aos direitos obrigatórios, como a revisão geral anual do vencimento básico e dos auxílios saúde e alimentação, e a retomada da carreira com o descongelamento de letras e triênios.

O documento apresenta a atual situação em que se encontram os servidores do judiciário: com salário base e auxílios alimentação e saúde congelados; com perdas salariais que chegam a 12,85%; com a progressão da carreira suspensa; sem qualquer negociação com a gestão de Osório Ramos Filho, e consequentemente sem ter atendida nenhuma das reivindicações presentes na pauta dos servidores.

O desembargador Edson Ulisses tomou posse nesta terça-feira, e já iniciou o seu mandato com uma herança deixada pela decisão unilateral do desembargador Osório Ramos e de sua equipe de apostar na Lei 173, que ficou conhecida como Lei da Granada de Bolsonaro, para justificar congelamento salarial e retirada de direitos históricos dos servidores, como o triênio e as letras.

“O desembargador Osório Ramos tomou a decisão política de descumprir a Constituição Federal e a LC estadual n° 193/2010, que garantem a revisão geral anual dos salários e a evolução na carreira dos servidores, além de desprezar a integralidade da pauta, causando prejuízo e empobrecimento dos trabalhadores. A direção do Sindijus espera que o atual Presidente do TJ não siga os passos do seu antecessor e que já inicie o seu mandato cumprindo a lei, quanto aos direitos obrigatórios, para depois avançar em valorização real dos servidores da casa”, pontuou o coordenador geral do Sindijus, Jones Ribeiro.


Boas vindas

Por meio do ofício, a diretoria do Sindijus também cumprimenta o novo presidente do tribunal pela eleição e se coloca a inteira disposição para contribuir com a discussão de todos os temas relacionados aos interesses profissionais dos servidores efetivos, assim como sobre a melhoria dos serviços judiciais que são prestados à população.