logo mobile

Imprimir

Sindijus reitera solicitação de reunião com o presidente do TJSE

.

O último encontro entre sindicato e o desembargador Edson Ulisses ocorreu no dia 15 julho

ofício parte interna
Nesta segunda-feira (8), a diretoria do Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário do Estado de Sergipe (Sindijus) encaminhou um ofício à Presidência do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE), reiterando solicitação de reunião com o Presidente do órgão, Desembargador Edson Ulisses, para dar continuidade na negociação da revisão salarial integral dos servidores que consta com perdas inflacionárias de 2,45% nos vencimentos básicos e 5,45% nos auxílios relativos ao ano de 2020.

O último encontro entre sindicato e Presidência do Tribunal ocorreu no dia 15 de julho, quando a categoria conquistou o descongelamento dos salários. Desde o dia 29 de outubro, a gestão do TJSE não respondeu ofício da entidade sindical para marcar data para a retomada das negociações.

No final de outubro protocolamos ofício solicitando a reabertura das negociações, passou o dia do servidor público e mais de 30 dias sem nenhuma reposta da gestão no intuito de querer negociar a pauta dos servidores.

“Queremos falar sobre o débito com a nossa categoria e lembrar ao desembargador Ulisses que lei não se cumpre pela metade e o TJ não cumpriu integralmente a Constituição e as leis estaduais em benefício dos servidores. E caso não ocorra a quitação, o prejuízo dos servidores só tende a aumentar”, lembrou a coordenadora do Sindijus Sara do Ó, diante da previsão da inflação de 2021 atingir o percentual de 10%.

A ausência de resposta e de reunião, agrava-se ainda mais pelo fato da ausência do presidente do tribunal neste mês de novembro. “O desembargador Edson Ulisses entrou de férias, até o dia 08 de dezembro, sem se reunir com a categoria. Reiteramos o pedido de reunião e aguardamos que seja marcada, ainda esse mês, como sinal de comprometimento com a valorização dos servidores, afinal, esse foi um compromisso firmado em nossa última conversa. E a cada dia só aumentam as perdas salariais e a redução do poder aquisitivo dos trabalhadores. Garantir a revisão salarial e assegurar o cumprimento da Constituição Federal e das leis estaduais”, disse Jones Ribeiro, coordenador do sindicato.

Além da pauta prioritária de 2020, existem outros temas pendentes, como o retorno do trabalho remoto, conforme requerido pela entidade em outro ofício protocolado (ainda sem resposta) e o início das negociações da campanha salarial 2021, que tem como data base janeiro do próximo ano.