Imprimir

Sindijus solicita ao presidente do TJ que cancele retorno das atividades presenciais

.

Alerta TJSE p

 

Em ofício enviado ao Presidente do Tribunal de Justiça de Sergipe, desembargador Edson Ulisses de Melo, nesta terça (1º), o Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário de Sergipe (Sindijus) solicitou a reconsideração do retorno das atividades presenciais no Judiciário estadual prevista para o dia 07 de junho, até o controle das contaminações, bem como que seja dado tratamento igualitário aos servidores e juízes na pandemia.

O requerimento pela prorrogação do trabalho remoto integral foi decisão tomada pela categoria na reunião da Assembleia Geral realizada na última quinta, 27, considerando que o retorno das atividades presenciais foi anunciado pelo TJSE no momento mais crítico do COVID-19 e sem segurança sanitária, com aumento das taxas de ocupação de leitos de enfermaria e UTI entre os dias 17 de março a 31 de maio.

A decisão é também baseada em estudos realizados pelos pesquisadores da Universidade Federal de Sergipe (UFS), que alertam para nova onda de contaminação em Sergipe.

O requerimento dos servidores também pede isonomia no tratamento dado pela gestão do Tribunal, que persiste no equívoco da Portaria Normativa n° 62/2020, que obriga os servidores ao trabalho presencial, mas não faz o mesmo com os magistrados.

“O retorno do trabalho presencial no Tribunal é desnecessário neste momento, principalmente devido aos dados do Covid no estado e, também, em razão da virtualização e dos índices de produtividade que os servidores vêm alcançando por meio do trabalho em home office. Portanto, esperamos que o Des. Edson Ulisses reveja a decisão e prorrogue o retorno do trabalho presencial, não colocando em risco a vida dos trabalhadores,” defende Alexandre Rollemberg, coordenador do Sindijus.